Início PAGINA INICIAL POLÍTICA África do Sul pode extraditar Chang para EUA se Nyusi não aprovar...

África do Sul pode extraditar Chang para EUA se Nyusi não aprovar mandado de captura internacional emitido no dia 29/11/2019 para Armando Guebuza

366
0
COMPARTILHE

Certamente o Governo dos EUA pode já ter um acordo legal para levar Manuel Chang para os EUA.

“Que eu tenha conhecimento, não”, respondeu o Advogado de Guebuza quando questionado pela agência de notícias sobre se existe algum mandado de captura sobre o antigo chefe de Estado. “Para dizer se é verdade ou não [que há um mandado de captura contra Guebuza], era preciso ver o mandado e tanto quanto sei não foi presente, eu não vi, só se visse é que teria alguma coisa para dizer”, vincou o advogado, acrescentando: “Não sei de onde viria esse mandado, sobre que factos, seria complicado dizer se saberia, porque enquanto desconhecendo esses dados, estaria a especular”.

A possibilidade de haver um mandado de captura internacional sobre Armando Guebuza tem sido insistentemente veiculada nas redes sociais moçambicanas, havendo alguns sites que chegaram ao ponto de elaborar uma lista de possíveis alvos destes mandados de captura, cuja veracidade não foi confirmada, até ao momento, por nenhuma entidade oficial.

Um Jornal Eletrônico contactou o Departamento de Justiça norte-americano, equivalente ao Ministério da Justiça na generalidade dos países, pedindo mais informação sobre a existência de uma lista e sobre se foi emitido um mandado contra o antigo Presidente de Moçambique, que era chefe do Governo quando os empréstimos foram contraídos, mas não obteve resposta até ao momento.

Mas esta semana chegou a informação que os EUA já podem tem um acordo de troca de reféns para o Governo moçambicana sendo que os EUA não quer deixar a divida em Puni….neste mesmo acordo vem como ordem judicial e entrega do antigo presidente da Republica Moçambicana em Troca do antigo ministro das Finanças Manuel Chang.

O cidadão libanês Jean Boustani, de 41 anos, disse, na sua primeira intervenção em julgamento, que a sua primeira viagem a Moçambique foi em março de 2011, numa apresentação realizada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia moçambicano.

Como negociador da Privinvest, “a maior construtora naval privada do mundo”, Jean Boustani disse que estava “muito interessado” em “oportunidades de desenvolvimento” em África e aproveitou um convite feito por uma “agente de negócios” chamada Basetsana Thokoane, antiga agente dos Serviços Secretos da África do Sul.

 

 

 

FONTE: TMZMAGAZINE_TP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here